You are currently browsing the tag archive for the ‘biblia’ tag.

Amigos

Divulgamos um vídeo da palestra proferida.

“Doutrina Espírita”

Assistam.

Ajudem na divulgação

MEDITAÇÕES SOBRE DEUS E NÓS Ganhei dos meus amigos Sandra e Edison um livro. O nome do livro é “Meditações Diárias”. Ele foi formado de mensagens selecionadas dos livros: Apostilas da Vida, Brilhe Vossa Luz, Caminho Espírita, Caridade, Comandos do Amor, Encontro de Paz, Passos da Vida, Paz e Renovação, Servidores no Além, Tempo de Luz, Visão Nova. A psicografia é do nosso querido Chico Xavier e foram publicados pelas Edições IDE. Para o momento, escolhi o tema Deus e nós: Somente Deus é a Vida em si. Entretanto, você pode auxiliar alguém a encontrar o contentamento de viver. Somente Deus sabe toda a Verdade. Mas você pode iluminar de compreensão a parte da verdade em seu conhecimento. Somente Deus consegue doar todo o amor. Você, porém, é capaz de cultivar o Amor na alma dessa ou daquela criatura, com alguma parcela de bondade. Somente Deus é o Criador da verdadeira Paz. No entanto, você dispõe de recursos para ceder um tanto em seus pontos de vista para que a harmonia seja feita. Somente Deus pode formar a Alegria Perfeita. Mas você pode ser o sorriso da esperança e da coragem, do entendimento e do perdão. Somente Deus realiza o impossível. Entretanto, diante do trabalho para a construção do bem aos outros não se esqueça de que Deus lhe entregou o possível para você fazer. Deus faz a Sua parte com perfeição. Façamos a nossa com o nosso possível, que pode ser pouco ou muito, mas deve ser feito com ânimo e com amor.   Maria Madalena Naufal

A ESCRITURA DO EVANGELHO

Humberto de Campos, o Irmão X, escreve obras espíritas estupendas. Entre elas “Luz Acima”, psicografada por Francisco Cândido Xavier (FEB).

Os textos apresentados são interessantes e trazem ensinamentos sublimes.

Não sei se Humberto de Campos consultou os registros akáshicos ou escreveu por inspiração.

Jesus costumava dialogar com os Seus Apóstolos. Desses diálogos podemos extrair orientações para a nossa vida.

O capítulo 45, denominado A Escritura do Evangelho, é muito elucidativo:

“Quando Jesus recomendou a pregação da Boa Nova, em diversos rumos, reuniu-se o pequeno colégio apostólico, em torno dEle, na humilde residência de Pedro, onde choveram as perguntas no inquérito afetuoso.

_ Mestre – disse Filipe, ponderado -, se os maus nos impedirem os passos, que faremos? Caber-nos-á recurso à autoridade punitiva?

_ Nossa missão – replicou Jesus, pensativo – destina-se a converter maldade em bondade, sombra em luz. Ainda que semelhante transformação nos custe sacrifício e tempo, o programa não pode ser outro.

_ Mas… obtemperou Tomé – e se formos atacados por criminosos?

_ Mesmo assim – confirmou o Cristo -, nosso ministério é de redenção, perdoando e amando sempre. Persistindo no bem, atingiremos a vitória final.

_ Senhor – objetou Tiago, filho de Alfeu -, se interpelados pelos fariseus, amantes da Lei, que diretrizes tomaremos? São eles depositários de sagrados textos, com que justificam habilmente a orgulhosa conduta que adotam. São arguciosos e discutidores. Dizem-se herdeiros dos profetas. Como agir, se o Novo Reino determina a fraternidade, isenta da tirania?

_ Ainda aí – explicou o Messias Nazareno – cabe-nos testemunhar as ideias novas. Consagraremos a Lei de Moisés com o nosso respeito. Contudo, renovar-lhe-emos o sentido sublime, tal qual a semente que se desdobra em frutos abençoados. A justiça constituirá a raiz de nosso trabalho terrestre. Todavia, só o espírito de sacrifício garantir-nos-á a colheita.

Verificando-se ligeira pausa, Tadeu, que se impressionara vivamente com a resposta, acrescentou:

_ E se os casuístas nos confundirem?

_ Rogaremos a inspiração divina para a nossa expressão humana.

_ Mas, que sucederá se o nosso entendimento permanecer obscuro, a ponto de não conseguirmos registrar o socorro do Alto? – Insistiu o apóstolo.

Esclareceu Jesus, sorridente:

_ Será então necessário purificar o vaso do coração, esperando a claridade de cima.

Nesse ponto, André interferiu, perguntando:

_ Mestre, em nossa pregação, chamaremos indistintamente as criaturas?

_ Ajudaremos a todos, sem exigências – respondeu o Salvador, com significativa inflexão na voz.

_ Senhor – interrogou Simão precavido -, temos boa-vontade, mas somos também fracos pecadores. E se cairmos na estrada? E se, muitas vezes, ouvirmos as sugestões do mal, despertando, depois, nas teias do remorso?

_ Pedro – retrucou o Divino Amigo -, levantar e prosseguir é o remédio.

_ No entanto – teimou o pescador -, e se a nossa queda for tão desastrosa que impossibilite o reerguimento imediato?

_ Rearticularemos os braços desconjuntados, remendaremos o coração em frangalhos e louvaremos o Pai pelas proveitosas lições que houvermos recolhido, seguindo adiante…

_ E se os demônios nos atacarem? – interrogou João, de olhos límpidos.

_ Atraí-los-emos à glória do trabalho pacífico.

_ Se nos odiarem e perseguirem? – comentou Tiago, filho de Zebedeu.

_ Serão amparados por nós, no asilo do amor e da oração.

_ E se esses inimigos poderosos e inteligentes nos destruírem? – inquiriu o filho de Kerioth.

_ O espírito é imortal – elucidou Jesus, calmamente – e a justiça enraíza-se em toda a parte.

Foi então que Levi, homem prático e habituado à estatística, observou, prudente:

_ Senhor, o fariseu lê o Torá, baseando-se nas suas instruções; o saduceu possui rolos preciosos a que recorre na propaganda dos princípios que abraça; o gentio, sustentando as suas escolas, conta com milhares de pergaminhos, arquivando pensamentos e convicções dos filósofos gregos e persas, egípcios e romanos… E nós? A que documentos recorreremos? Que material mobilizaremos para ensinar em nome do Pai Sábio e Misericordioso?!…

O Mestre meditou longamente e falou:

_ Usaremos a palavra, quando for necessário, sabendo porém que o verbo degradado estabelece o domínio das perturbações e das trevas. Valer-nos-emos dos caracteres escritos na extensão do Reino do Céu. No entanto, não ignoraremos que as praças do mundo exibem numerosos escribas de túnicas compridas, cujo pensamento escuro fortalece o império da incompreensão e da sombra. Utilizaremos, pois, todos os recursos humanos, no apostolado, entendendo contudo, que o material precioso de exposição da Boa Nova reside em nós mesmos. O próximo consultará a mensagem do Pai em nossa própria vida, através de nossos atos e palavras, resoluções e atitudes…

Pousando a destra no peito, acentuou:

_ A escritura divina do Evangelho é o próprio coração do discípulo.

Os doze companheiros entreolharam-se, admirados, e o silêncio caiu entre eles, enquanto as água cristalinas, não longe, refletiam o céu imensamente azul, cortado de brisas vespertinas que anunciavam as primeiras visões da noite…”

A frase mais impressionante e que resume todo o capítulo é “A escritura divina do Evangelho é o próprio coração do discípulo”. Abramos, portanto, o nosso coração e recolhamos nele as palavras do Divino Amigo, Mestre Incomparável, sabendo que são também para nós.

 

Maria Madalena Naufal

Dispinível

Boletim do mês de novembro de 2012

para baixar, clique aqui.

SAUDAÇÃO

BENVINDOS AO NOSSO BLOG !

A Equipe “CAMINHEIROS DA LUZ”

Edson Luís da Silva,
Sandra Marcia Saraiva
Sônia Aparecida Ferranti Tola
(Maria Madalena Naufal - in memorian)
Sandra Raquel Nicoleti

CONTATO: caminheirosdaluz@gmail.com

Osvaldo Cruz-SP

Estatística

  • 87,455 hits

Calendário

agosto 2017
S T Q Q S S D
« jul    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031