DESMATERIALIZAÇÕES

De acordo com o nosso já tão conhecido Palhano Jr. é o ato ou efeito de des materializar, que é produzir o fenômeno psíquico ou mediúnico de desaparecimento instantâneo de objetos ou corpos. Trata-se de um fenômeno de efeitos físicos, em que os Espíritos utilizando-se de energias psíquicas especiais do médium, impregnam os objetos ou corpos, alterando a frequência atômica deles, fazendo com que seus átomos vibrem em outra dimensão, desaparecendo das vistas do observador. Não há desagregação da matéria, mas apenas a sua transposição de uma dimensão para outra.

Temos inúmeras provas e testemunhos irrefutáveis de muitos homens de ciência.  A  autoridade deles  é irrefutável, porque através de observações metódicas e experimentações rigorosas , atingiram as conclusões finais de seus estudos, mas que, sob o ponto de vista doutrinário, não os transformem num sistema definitivo, imutável, fora e acima das conquistas do saber humano. O progresso é sem cessar, pelo estudo, pela análise e pelo trabalho, mas acha-se franca às retificações, às evoluções da inteligência e aos esclarecimentos do futuro, partindo do princípio: “o progresso do espírito humano através das pluralidades das existências e dos mundos”.

A parte teórica compõe o primeiro capítulo de todas as verdades que concorrem para a evolução e elevação moral e espiritual do ser humano.

Aos que negam a realidade desses princípios dizemos que se instruam, façam experiências, busquem compreender os fenômenos, não aceitem uma experiência senão quando puderem repeti-la muitas vezes e nas mais variadas circunstâncias. Quando tiverem suficientemente estudado o próprio fenômeno os instruirá acerca da sua natureza e do seu poder.

Não há necessidade de fé para compreender a nossa revelação. Não tolhemos o livre exame, Só devemos aceitar como reais as verdades demonstradas pela lógica, pelos sentidos e também pela observação.

A ciência é progressiva, não se submete às convenções, não cessa a sua ação benéfica; como a religião ela é tolerante, indulgente, justa, folga com a verdade; tudo examina, tudo observa, estuda, perscruta inteligente e racionalmente para fazer juízo justo e imparcial.

Desse modo, um conhecimento até então ignorado, uma vez esclarecido, deixa de fazer parte do miraculoso.

É assunto deveras complexo e interessante o da passagem da matéria através da matéria ou da desmaterialização. É um tema sempre novo. É o fenômeno que a ciência espírita, através de várias investigações, já estudou e classificou algumas das suas múltiplas variantes, e ao qual está ligada intimamente a outra série de fenômenos, ainda por classificar à espera de quem quiser pesquisar.

Além de Ernesto Bozzano (“Animismo e Espiritismo”), cujos comentários já apresentamos, vamos buscar, para melhor esclarecimento, os testemunhos de outros grandes sábios:

O do Professor Johann Karl Friedrich Zollner, na comprovação científica que dera aos casos de fenômenos dessa natureza, realizados pelo médium Slade (“Física Transcendental”)

O do Dr. Gustavo Le Bom, que muito se interessara por esta espécie de fenômenos, daí as importantes observações que causaram muita sensação. Revolucionando as ideias então correntes na física como postulado científico, foi precisamente essa demonstração a que ele também chamou de “a desagregação da matéria”, isto é, a aptidão dos corpos à desagregação, emitindo eflúvios análogos aos raios catódicos, em consequência da radioatividade, não de um ou de alguns determinados corpos, mas de todos os corpos, como lei universal (“O Grande Enigma”).

O Dr. Leopoldo Cirne conta-nos que as mais surpreendentes dessas experiências foram realizadas em Nova Iorque, pelo Dr. Paul Gibier, com o médium Salmon que, em mais de uma vez, fora encerrado numa “gaiola”, fabricada especialmente para a experiência, com varões de ferro, fechado a cadeado e lacrada. Depois de cessada a momentânea obscuridade para a produção do fenômeno, Salmon era encontrado do lado de fora, estando “a gaiola” perfeitamente cerrada e lacrada, como antes, e os varões ainda quentes, a atestar o processo de desmaterialização e recomposição imediatas (“Doutrina e Prática do Espiritismo”).

O fenômeno da “passagem da matéria através da matéria”, em face  da explicação dada por Crookes, e muitos outros, tem o sabor dos fatos consumados. Diz ele que “os átomos da matéria que atravessa passam pelos interstícios que separam os átomos da matéria atravessada!, sem derrogar, é óbvio, o princípio de física conhecido universalmente – de que dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar no espaço” (Fatos Espíritas).

Temos como regra geral que qualquer materialização é o resultante de uma desmaterialização parcial ou total.

Várias experiências são tratadas na obra de Pedro Granja, mas os casos são longos e por isso não vou contá-los, mas se o leitor tiver interesse deve ler o livro, que é excelente e mostra a grande capacidade do autor.

 

Maria Madalena Naufal

 

FONTES

 

DICIONÁRIO DE FILOSOFIA ESPÍRITA – L. Palhano Jr. – Edições Celd;

AFINAL, QUEM SOMOS? – Pedro Granja – Edição Calvário.

 

Anúncios