O ESPERANTO, O EVANGELHO E O ESPIRITISMO

O Esperanto é uma língua auxiliar de comunicação internacional, elaborada pelo médico judeu-polonês Ludwig Lazar Zamenhof (1859-1917) e divulgada por ele em 1887.

É uma língua agradável de ser aprendida e muito fácil de manejar dentro do limite de suas 16 regras sem exceções e irregularidades gramaticais. Cada letra escrita corresponde com exatidão a um som perfeitamente determinado, dispensando o trabalho complexo de se editarem vocabulários de pronúncia. Os radicais que constituem a língua esperantista é de índole internacional e podem ser identificados em todos os principais idiomas do mundo. Na sua flexibilidade idiomática, eles atendem as mais complexas e variadas exigências verbais do homem moderno.

O Esperanto será resguardado das corrupções idiomáticas e protegido na pureza de suas raízes idiomáticas, porque além de ser subordinado a formas definitivas traçadas pelo Alto, é fiscalizado e protegido por uma entidade oficial da Terra, que é a “Universala Esperanto Associo”, responsável pela sua sanidade verbal e gráfica.

Há séculos essa organização foi fundada no Além, depois foi concretizada na Terra por elementos devotados e experimentadíssimos no trato do idioma fraterno, os quais já se dedicaram a avançados labores linguísticos em existências passadas.

A simples adesão do homem ao idioma neutro esperantista já demonstra que ele é um espírito de natureza superior!

O Esperanto não pretende eliminar os diversos idiomas próprios de cada raça ou povo, mas a sua missão espiritual é de suprimir as barreiras nacionalistas entre os homens, para que se conheçam como elementos oriundos do mesmo Espírito Criador!

Dessa maneira o Esperanto será falado por todos os povos da Terra e submisso a uma só disciplina, fiscalização filológica e pronúncia iniciática. A sua pronúncia é clara e doutrinariamente aceitável em todos os climas geográficos e por todas as índoles psicológicas. Não é de pronúncia extremamente fechada, mas se efetua num “meio termo”, num tom médio de voz que muito facilita o ajuste de todos os povos e raças.

Há muita semelhança entre o Esperanto e o Evangelho do Cristo e essa semelhança provém de que o Esperanto é também um código verbal certo e igual para todos os homens! É de qualidade essencialmente afetiva, porque é eletivo às criaturas de boa índole, que se simpatizam com os movimentos universalistas. A sua mensagem messiânica , já o dissemos, está acima das orgulhosas barreiras raciais e dos patriotismos exagerados; é um admirável multiplicador de frequência verbal confraternizando povos e tornando-os mais entendíveis, cujo entendimento verbalístico é sem ferir preconceitos humanos. É linguagem simples, fraterna, humilde e exata na sua expressão endereçada à humanidade, assim como o Evangelho é terno, humano e autêntico na sua mensagem espiritual.

E assim como o Evangelho se estriba no holocausto de Jesus, o nosso Divino Amigo sacrificado por causa da confraternização humana, o Esperanto também erigiu-se sob a égide do heróico e abnegado Zamenhof, que suportou calúnias, infâmias, agressões e grandes prejuízos para compor e oferecer a sua mensagem fraterna e de esperança para unir a humanidade! Por isso o Esperanto não evoluiu como as línguas comuns, da Terra para o Céu, como um conjunto verbal considerado o mais ideal e experimentado entre os homens de várias raças, mas é dádiva do Céu por intermédio de um “medianeiro espiritual”, como foi Zamenhof, cuja vida digna e crística correspondeu de modo integral à missão eleita pelo Alto.

O Espiritismo também se devota à divulgação do Esperanto porque toda instituição, doutrina, credo ou movimento espiritualista, que aspire a unir e confraternizar os homens tem essa obrigação. Num mundo onde a palavra falada ou escrita ainda é o agente principal de intercâmbio dos pensamentos humanos, o cultivo da mesma linguagem torna-se uma recurso abençoado para a mais breve fusão emotiva e sintonia psicológica, entre as criaturas separadas pelas mais distantes latitudes geográficas.

O Espiritismo, como doutrina de caráter universalista, é um fermento divino a aumentar todos os empreendimentos fraternistas; assim, cumpre-lhe incentivar todos os esforços humanos que tenham por objetivo a solidariedade e o entendimento amplo entre os homens. Considerando que o Evangelho do Mestre dos Mestres é mensagem espiritual definitiva para alcançar o “Caminho, a Verdade e a Vida”, e o Esperanto a mensagem verbal que multiplicará entre os homens de boa vontade o ensejo de mais rápida evangelização pela mesma frequência idiomática, o Espiritismo pode se tornar um admirável traço de união entre ambos, porque a sua também é de renovar o espírito e trazer a Paz e o Amor entre os homens.

Maria Madalena Naufal

FONTES

               “DICIONÁRIO DE FILOSOFIA ESPÍRITA” – L. Palhano Jr. – Edições Celd;

A VIDA HUMANA E O ESPÍRITO IMORTAL”- Ramatis – psicografia de Hercílio Maes – Editora Conhecimento.

Anúncios